Clima afeta produção de cebola no litoral gaúcho

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) realizou nesta terça-feira (26) a terceira reunião do ano da Câmara Setorial da Cebola, no município de Flores da Cunha, na serra gaúcha. Um dos objetivos de fazer as reuniões no interior do estado é promover um intercâmbio de conhecimento entre as duas maiores regiões produtoras de cebola do Estado: o litoral e a serra. Além da reunião, também foi feita uma visita técnica e de integração entre os produtores de cebola das duas regiões.

Durante o encontro, foram feitos relatos sobre a produção de cebola no Rio Grande do Sul. Os produtores do litoral revelaram que a produção de cebola nesta região deverá ser muito afetada pelas condições climáticas, principalmente pelas precipitações muito acima da média ocorridas ao longo dos meses de outubro e novembro.

Segundo produtores do município de Tavares, as perdas no município podem ultrapassar os 40% principalmente por causa do excesso hídrico e da menor luminosidade. Estes fatores tiveram reflexos no menor crescimento dos bulbos de cebola, que tiveram tamanho inferior ao desejado, e como consequência o rendimento da cultura será bem menor ao de anos anteriores.

Em relação aos produtores da região da serra as precipitações também foram acima da média, mas as perdas não devem ser tão expressivas em função do relevo mais declivoso e dos volumes de chuva terem sido um pouco menores.

Percebeu-se pelos relatos das duas principais regiões produtoras de cebola do estado que as características produtivas são bastante distintas, tanto em relação ao relevo como em relação às condições de clima.

O Rio Grande do Sul produz 175,7 mil toneladas em 7,9 mil hectares. São 31,5 mil produtores que geram uma receita anual de R$ 96 milhões.

Fonte : Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul