Óleos impulsionam Índice de Preços de Alimentos da FAO

Os preços mais fortes dos óleos de soja e palma ajudaram a impulsionar 1,8% de aumento mensal no Índice de Preços de Alimentos de janeiro da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura. O índice, que é um indicador das variações mensais nos preços internacionais das commodities alimentares, ficou em média de 164,8 no primeiro mês de 2019. 

Com o forte aperto dos preços dos grãos, o Índice de Preços do Cereal subiu levemente em relação a dezembro, com média de 168,1 pontos. Além disso, o Índice de Preço do Óleo Vegetal teve um aumento de 4,3%, liderado por um declínio sazonal da produção nos principais países fabricantes de óleo de palma. Os preços internacionais do óleo de soja também subiram devido à robusta demanda por importações de produtos sul-americanos. 

A FAO também aumentou sua estimativa de produção de cereais em 2018 para 2,611 bilhões de toneladas, refletindo aumentos em milho, trigo e arroz. As perspectivas de trigo são positivas, com repercussões significativas na União Europeia e na Rússia, enquanto as perspectivas de milho são fortes na Argentina e no Brasil, já que o clima seco prejudicou as perspectivas de produção na África do Sul. 

Os estoques mundiais de cereais devem cair 45 milhões de toneladas, ou 5,6%, em relação aos seus níveis de abertura recorde. Isso resultaria na relação estoque-uso mundial para cereais caindo para 28,5%, abaixo de uma alta de quase duas décadas de 30,8% em 2017/2018. O comércio internacional de todos os cereais deverá se aproximar de 416 milhões de toneladas na safra de 2018/2019. 

Fonte : Agrolink