Peru pode gerar 2 milhões de novos empregos em agro-exportação

O Peru pode gerar dois novos milhões de empregos diretos e indiretos na agro-exportação, com o comissionamento de 442.000 hectares para esta atividade, afirmou o presidente da Corporação Andina de Fomento (CAF), Luis Carranza.

Ele disse que o setor de agroexportação é um exemplo de desenvolvimento com geração de emprego e redução da pobreza, e atualmente há um milhão de empregos em agroexportação entre diretos e indiretos, sem contar os empregos induzidos.

Ele também observou que entre 2000 e 2018 houve um aumento no poder de compra real dos trabalhadores nesse setor.

Ele também destacou que em 2005 33% da População Economicamente Ativa (PEA) estava no setor agrícola e em 2018 esse percentual era de 25%, no entanto, o crescimento da produtividade do trabalho era de 76%.

"São números espetaculares, surgiram novos produtos agroexportados, como uvas e abacates, somos os segundos maiores exportadores de abacate do mundo", ressaltou em sua apresentação na Conferência Executiva Anual do CADE 2019. 

A esse respeito, ele disse que quanto mais rápido os projetos de irrigação do país forem concluídos, mais rapidamente a pobreza poderá ser reduzida.

Agro-exportação e mineração

Carranza enfatizou que a agro-exportação e a mineração são duas atividades importantes para o desenvolvimento do país, porque a mineração fornece os recursos necessários para fechar as lacunas de infraestrutura e fortalecer as instituições.

Ele disse que a criação de empregos é a melhor garantia para reduzir a pobreza e a informalidade no país e, no caso da agro-exportação, os trabalhadores têm acesso à seguridade social.

Nesse sentido, ele recomendou que, para melhorar a produtividade das empresas, se reduzisse o excesso de regulamentações e custos logísticos que no Peru estão acima de 30% do PIB, quando a média na América Latina é de 24% e na Europa em 8%.

Concorrência

Por outro lado, ele apontou que a concorrência nos mercados é uma parte fundamental do sistema econômico, e o melhor exemplo é o que aconteceu no setor de telecomunicações, onde a concorrência gerou uma crescente melhoria no serviço. 

Ele também apontou que mais esforços devem ser feitos no setor educacional, que garantam às classes médias mais comprometidas com o país.

"A educação tem um impacto muito positivo no mercado econômico", enfatizou. 
Carranza explicou que na sociedade é necessário o equilíbrio de duas forças: igualdade e liberdade. 

“As sociedades que avançaram conseguiram o equilíbrio de ambas. Aqueles que não explodem ou estão atrasados ??”, enfatizou.

Ele disse que o Estado tem a obrigação de defender a liberdade e a propriedade. 

“Podemos ter progresso econômico, mas não desenvolvimento de classe média. É por isso que o confronto é gerado, protestos. Quando o desenvolvimento econômico gera classes médias, elas pressionam o poder político por mais transparência e menos corrupção ”, afirmou.

Por fim, ele considerou essencial combater aqueles que se opõem ao modelo de livre mercado, "tornar visíveis" os benefícios que o país teve nos últimos 30 anos com esse sistema que permitiu a redução da pobreza.

Luis Carranza participa da Conferência Executiva Anual do CADE 2019, realizada em Paracas, região Ica.

 

Fonte : Avicultura Industrial