Produção mundial de soja e milho deve ser maior

O novo relatório de oferta e demanda de produtos agrícolas, divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicou que a produção mundial de soja e milho deve registrar um aumento significativo. Nesse sentido, a colheita da oleaginosa passou de 360,58 milhões de toneladas no relatório de abril para 362, 08 milhões de toneladas em maio, sendo que os estoques finais foram de 107, 36 milhões de toneladas para 113,18 milhões de toneladas. 

No caso do cereal, a produção havia sido prevista, em maio, fechando em um total de 1.107,38 bilhão de toneladas e foi elevada para 1.119,0 bilhão em abril, com estoques finais saindo de 314,01 milhões e chegando em 325,94 milhões de toneladas na última estimativa divulgada. Levando em consideração os números dos maiores países produtores de soja, apenas a Argentina registrou um aumento na perspectiva, com um total esperado de 56 milhões de toneladas, contra 55 milhões no relatório anterior. Para a safra 2019/2020, nossos vizinhos devem colher 53 milhões de toneladas da oleaginosa. 

O Brasil continua com a mesma expectativa de produzir um total de 117 milhões de toneladas, com estoque e exportação registrando 26 e 78 milhões de toneladas, sendo que em 2019/2020 esse número deve subir para 123 milhões. Nos Estados Unidos, a produção em 2018/2019 deve permanecer em 123,67 milhões de toneladas, mas a tendência é que caia para 112,94 milhões em 2019/2020. 

A produção de milho argentina, por sua vez, foi revisada para cima, de 47 milhões para 49 milhões de toneladas, mesmo patamar esperado para o ciclo 2019/2020. Os Estados Unidos devem colher um total de 366 milhões de toneladas, mesmo resultado encontrado no informativo anterior, sendo que na próxima safra esse número pode aumentar para 381 milhões de toneladas. 

No caso do Brasil, a estimativa de produção de milho deu um salto de 96 milhões para 100 milhões de toneladas em 2018/2019. No caso da próxima safra, esse valor deve fechar em torno de 101 milhões de toneladas, com estoques e importação chegando em 8,31 e 34 milhões de toneladas, respectivamente. 

Fonte : Agrolink